Home Bem-estar Saúde Obesidade diminui expectativa de vida em até 10 anos

Obesidade diminui expectativa de vida em até 10 anos

5 min leitura
1
0

Que a obesidade traz alguns riscos para a saúde não é novidade, mas segundo estudo publicado nesta quinta-feira (14/07) na revista médica “The Lancet” essa situação merece ainda mais atenção, pois estar acima do peso diminui cerca de um ano da expectativa de vida.

Esse número sobe para cerca de 10 anos em casos de obesidade severa.

obesidade

Segundo a pesquisa, o excesso de peso e a obesidade estão associados diretamente a um risco de morte prematura, aumentando os riscos de doença cardíaca coronária, acidente vascular cerebral, doenças respiratórias e câncer.

Os pesquisadores selecionaram dados de 10,6 milhões de participantes de 239 grandes estudos realizados entre 1970 e 2015 em 32 países na América do Norte, Europa, Austrália, Nova Zelândia e leste e sul da Ásia.

As amostras foram divididas de acordo com o Índice de Massa Corporal (IMC) e segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), um IMC de 18,5 a 24,9 é considerado normal, de 25 a 29,9 excesso de peso, 30 a 34,9 obesidade moderada, 35 a 39,9 obesidade severa e acima de 40 obesidade mórbida.

Segundo a pesquisa, o risco de morte antes dos 70 anos aumentou de 19% em homens com peso normal para 29,5% em homens moderadamente obesos.

Para as mulheres, os dados foram aumento de 11% para 14,6%.

De acordo com a OMS, mais de 1,9 milhão de adultos em todo o mundo estavam acima do peso em 2014, desse total, mais de 600 milhões eram obesos.

Para mudar essa expectativa, nada como seguir uma alimentação balanceada acompanhada de exercícios físicos diariamente.

Para a nutricionista Fernanda Giacomo é preciso atenção na alimentação. Com um cardápio equilibrado é possível obter ótimos resultados.

Para redução de peso é necessário fazer uma avaliação profunda da sua relação com o alimento, quais suas preferências alimentares e suas principais dificuldades.

O resultado positivo irá depender não só de uma prescrição alimentar, mas também de mudança na forma como se enxerga e na relação com a comida”, explica a profissional.

Segundo a educadora física Maria Antonia Palumbo, as escolhas dos exercícios devem ser feitas de forma pessoal, individualizada e de acordo com o gosto pessoal.

Uma forma de incluir a atividade física na rotina é transformar atividades cotidianas em exercícios.

“Por exemplo, se você trabalha em um local com escadas, suba e desça várias vezes.

Se você vai de ônibus para o trabalho, desça um ponto antes ou um depois e assim por diante.

Tente manter as atividades de casa como regar plantas, varrer a casa, passear com cachorro, desde que seja prazeroso”, diz.

Para a psicóloga clínica e do esporte, Sheila Molchansky esse processo pode ter resultados bem diferenciados quando aliado ao acompanhamento psicológico, pois as emoções, quando estão desequilibradas, contribuem significativamente para que as pessoas descontem na alimentação suas tensões, seus aborrecimentos e ansiedades.

“Sendo assim, ter um momento na semana para “olhar para dentro” pode ser um coadjuvante importante no processo de transformação e busca de qualidade de vida”, argumenta.


Recomendados


Comentário(s)

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais em Saúde

Um comentário

  1. […] ao estilo de vida inadequado, que favorecem o aparecimento das chamadas doenças crônicas, como a obesidade, o diabetes, a hipertensão arterial e o […]

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confira também

Alimentação saudável e equilibrada é aprendida em sala de aula

Um dos maiores problemas de saúde pública no mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde…