Home Bem-estar Saúde A população envelhece e o Parkinson aparece

A população envelhece e o Parkinson aparece

4 min leitura
0
0

Hoje, estima-se que 200 mil brasileiros sofrem com a Doença de Parkinson.

A tendência, com o envelhecimento da população é que este número só aumente.

Como hoje (11 de abril) é o Dia Mundial da Doença de Parkinson vamos entender mais sobre a doença e as formas de tratamento para melhorar os sintomas e a qualidade de vida.

Segundo a geriatria e psicanalista, Soraya Hissa de Carvalho, o Parkinson é uma doença degenerativa do sistema nervoso central.

“Crônica e progressiva, ela é consequência da diminuição intensa da produção de dopamina, que é um neurotransmissor, uma substância química que ajuda na transmissão de mensagens entre as células nervosas responsáveis pela realização dos movimentos voluntários do corpo”, explica a médica.

O resultado disso é uma lentidão motora, tremores de repouso notadamente nas mãos, desequilíbrio e rigidez muscular.

Em alguns casos, pode haver também diminuição do olfato, alterações intestinais e do sono.

Essa doença não tem cura ainda, mas os tratamentos existentes contribuem para amenizar os sintomas.

“Assim, o paciente deve tomar o medicamento indicado por seu médico por toda a vida”, afirma a geriatra.

 

Tratamento na água

O fisioterapeuta Rogério Celso Ferreira, da Fisior Hidroterapia, em Belo Horizonte (MG), afirma que a hidroterapia, junto com o tratamento medicamentoso, pode contribuir muito para o controle dos sintomas do Parkinson.

“A hidroterapia é uma especialidade da fisioterapia que se baseia nos princípios mecânicos e térmicos da água aquecida de uma piscina terapêutica”, diz o especialista.

Os efeitos da imersão corporal associados aos exercícios fisioterápicos provocam diversos estímulos, que no caso dos pacientes com Parkinson são: minimização das alterações motoras, melhora da coordenação e da qualidade do movimento, diminuição da rigidez muscular, aumento da autonomia nas atividades de vida diária, melhora do sono e do equilíbrio.

“Além desses benefícios que a hidroterapia proporciona ao paciente com a doença, a pressão hidrostática oferece uma resistência ao tórax, que, em combinação com os exercícios respiratórios proporciona melhora da função pulmonar, que pode ser abalada pelas alterações posturais”, completo Rogério Celso.


Recomendados


Comentário(s)

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais em Saúde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confira também

Fisioterapia aquática: alívio para quem sofre com o reumatismo

Muitos acreditam que o reumatismo pode surgir com o passar dos anos e com a chegada da ter…