Home Qualidade de Vida O Caminho do Meio

O Caminho do Meio

11 min leitura
1
0

Pela meditação na luz e no esplendor, pode-se atingir o conhecimento do espírito e é possível alcançar a paz – Patanjali (c. 300 a.C.)

 

Ilustração de Sah ElizabethMuitas pessoas desejam descobrir um meio de transcender os estreitos limites de sua vida individual. Algumas começam a buscar métodos criteriosos de entrar em contato com sua própria natureza. A maioria dos métodos criteriosos tem a ver com meditação.

Meditar significa concentrar-se no infinito. A concentração significa focalizar a atenção em alguma coisa. Quando nossa atenção está dividida entre duas coisas, não estamos nos concentrando. A maioria de nós precisa de recursos para aprender a se concentrar. Precisamos recorrer a técnicas; precisamos ter meios de fazê-la. Por analogia, se desejamos fazer cidra de maçã, não é bom assar as maçãs. O meio correto de fazer cidra é espremer as maçãs. Na meditação precisamos usar as técnicas corretas. Se o fizermos. Colheremos resultados satisfatórios, e isso de modo criterioso.

Na meditação, tentamos impedir que o fluxo de energia se propague para o exterior, de modo que oportunamente possamos invertê-lo. A consciência se dirige para onde a energia se dirige. Se nos movemos, enviamos energia ao corpo. Eis por que uma das primeiras normas da meditação é ficar parado. Enquanto há movimento há consumo de energia. A consciência segue o fluxo de energia dirigido ao mundo fenomênico, e a pessoa que tenta meditar está presa a essa consciência.

Conseguindo ficar sentado e imóvel de modo que a energia não chegue ao corpo e seus músculos, e tornando-se livre dos próprios pensamentos, concentre-se até que tenha em mente um único pensamento. Toda a energia será concentrada nesse único pensamento. Este processo é tudo o que constitui a meditação: afastar do corpo a energia, aquietar as ondas mentais e, finalmente, com a energia disponível, concentrar-se na raiz de todo o ser. Nesse estado começamos a perceber que não somos o corpo, porque podemos observá-lo. Podemos observar pensamentos chegando e partindo. Desligando-nos deles. Percebemos: “Não, eu não sou o corpo. Não sou a mente. Não sou nada disso, porque posso observá-los”.

As pessoas às vezes entendem mal a meditação; pensam que, tendo começado a meditar, todos os seus problemas ficam para trás. Isso não é verdade. Freqüentemente a meditação traz à superfície problemas que precisam ser percebidos e trabalhados. Não obstante, a meditação traz consigo sentimentos de paz, de alegria e, por fim, de bem-aventurança. Existem muitas técnicas a que podemos recorrer. Somos atraídos pelas técnicas e meios mais adequados para nós.

Transcender o ego através da meditação é um conceito que muitas pessoas evitam. Pensam que não estar ligado ao corpo supõe não responsabilizar-se por ele. Algumas afirmam estar libertas do corpo muito antes de sequer aproximar-se dele. Outras tentam o processo de desprendimento sem passar pelas etapas necessárias, numa espécie de salto. Outras ainda, estão repletas de culpa, ansiedades e inadaptações. Mas todas as limitações que temos são auto-impostas, por uma noção consciente ou subconsciente de limitação.

Quando as pessoas percebem os conceitos restritivos que impuseram a si mesmas e os mudam, o mundo muda. É uma experiência maravilhosa o podermos afirmar: “Não sei o que aconteceu. Tenho amigos, e nunca tive amigos antes”. Alteramos algum tipo de limitação dentro de nós. Isso requer que se trabalhe e que se disponha de muita energia, mas é o começo da eliminação das limitações auto-impostas. Quando eliminamos a identificação com o ego, podemos atingir um estado de consciência superior. Pode sobrevir então, um estado de iluminação.

A experiência de iluminação nem sempre é agradável. A expansão de consciência pode parecer assustadora, porque desconhecida. Entretanto, a pessoa que transcendeu o ego não passa por esse tipo de experiência. Sua consciência não é limitada. Alguns que tiveram essa experiência descrevem-na como estar num imenso círculo de consciência em que o corpo é somente um ponto banhado em luz. As distâncias desaparecem; o centro está em toda a parte.

Só um ego forte que corresponde ao modo pelo qual o universo existe pode transcender sua própria dualidade. Fortalecer o ego, porém, é um paradoxo. O número de complexos é essencialmente infinito e, a despeito de quantos resolvamos, muitos mais há para serem resolvidos. Temos que gastar muito tempo nisso para que possamos transcender a consciência egótica. A pessoa deve estar disposta a empreender o processo, depositar fé nele e seguir as técnicas de meditação.

O pleno significado da vida pode ser apreendido por aqueles que transcendem o ego e, nisso, reúnem a gotinha do Eu individual ao imenso oceano cósmico da alma que está em toda a parte.

Níveis de pensamento
Uma das primeiras metas da meditação é aquietar e acalmar pensamentos aleatórios. Para consegui-lo, é interessante identificar quatro níveis diferentes de pensamento.

Pensamento negativo é o primeiro e o mais baixo nível de pensamentos, que inclui sentimentos de raiva, medo, tristeza, arrependimento e inquietação, e nos torna egoístas e preguiçosos.
Pensamento inútil constitui o nível de pensamentos em que gastamos nosso tempo nos preocupando com coisas que podem nem acontecer ou que estejam fora de nosso controle.
Pensamento necessário é o nível que requer nossa atenção para atividades e medidas comuns e indispensáveis à vida humana, tais como “preciso me lembrar de pagar a conta de luz”.
Pensamento positivo é o nível mais alto e estimula a paz, a harmonia, a criatividade, o amor e a felicidade.

Na meditação, podemos liberar nossa mente dos pensamentos negativos e inúteis e eleva-la ao nível mais alto.

Fonte:
PARKER, Thomas E. Transcendendo o ego.
FONTANA, David. Aprenda a Meditar: a arte da tranqüilidade, da autoconsciência e da percepção.

————————-
Veja mais opções de livros sobre o tema no Submarino.

 


Recomendados


Comentário(s)

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais em Qualidade de Vida

Um comentário

  1. Pra te ver feliz! - Vida Plena e Bem-Estar

    21 de fevereiro de 2014 em 23:12

    […] Comece ao menos exercitando seu lado direito do cérebro: respire! Olhe a sua volta, observe uma linda paisagem (pode ser uma foto também) e respire 3 vezes profundamente. Depois, por 3 minutos visualize essa paisagem internamente, como se você transportasse a paz que a imagem traz para o seu interior. Lhe garanto que isto pode mudar a sua vida! […]

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confira também

A beleza e o poder da gratidão em nossas vidas

Com os anos, fui descobrindo que a gratidão é, além de um dos sentimentos mais nobres, a c…