Home Inspirados Retrato de Uma Pessoa que Eliminou Todos os Pontos Fracos – Parte IV

Retrato de Uma Pessoa que Eliminou Todos os Pontos Fracos – Parte IV

12 min leitura
0
0

Do livro “Seus Pontos Fracos”Dr. Wayne W. Dyer

 

Não têm receio de falhar. De fato, frequentemente recebem isso bem. Não equacionam o fato de ser bem-sucedido num empreendimento em termos de sucesso como ser humano. Uma vez que sua autovalia lhes vem de dentro, qualquer acontecimento exterior pode ser encarado ojetivamente e apenas como eficaz ou ineficaz. Sabem que o fracasso é apenas a opinião pessoal que alguém expressa e que não deve ser temida, visto como não pode afetar a autovalia.

livre_pontos_fracos_02

Assim tentarão todas as coisas, participarão de tudo apenas porque é divertido e nunca terão medo de ter que se explicar. Da mesma forma, nunca optam pela ira de nenhuma maneira imobilizante. Usando a mesma lógica (e nunca tendo que prepará-la de cada vez, visto como isso já se tornou um sistema de vida), não dizem a si mesmas que as outras pessoas deveriam comportar-se diferentemente e que os acontecimentos não deviam ser o que são. Aceitam os outros como são e esforçam-se para modificar os acontecimentos que lhes desagradam. Assim, a ira torna-se impossível, porque nada era esperado. São pessoas capazes de eliminar as emoções que de alguma forma sejam autodestrutivas e de estimular as que tornam as pessoas maiores.

Esses felizes indivíduos exibem uma admirável falta de defesa. Não participam de jogos, nem tentam impressionar os outros. Não se vestem para a aprovação alheia, nem se dão ao trabalho de se explicar. Têm simplicidade e naturalidade e não se deixarão seduzir pela necessidade de transformar em casos coisas pequenas ou grandes. Não gostam de discutir, nem são debatedores exaltados; apenas expõem seus pontos de vista, ouvem os dos outros e reconhecem a futilidade de tentar convencer alguém mais de que deve ser como eles são. Dirão simplesmente: “Está certo, somos apenas diferentes. Não temos que concordar.” Deixam a coisa ficar por aí, sem qualquer necessidade de ganharem a discussão, ou convencerem o oponente do errado de sua posição. Não têm receio de causar má impressão, mas não se esforçam nesse sentido.

Seus valores não são locais. Não se identificam com a família, a vizinhança, a comunidade, a cidade, o estado ou o país. Vêem a si mesmos como pertencendo à raça humana, e um austríaco desempregado não é melhor nem pior do que um californiano sem emprego. Não são patrióticos quanto a uma fronteira em especial, mas ao contrário, vêem-se como parte de toda a humanidade. Não ficam contentes por ter mais inimigos mortos, visto que o inimigo é tão humano quanto o aliado. Os limites traçados pelos homens para se definir um aliado não merecem o beneplácito deles. Transcendem as fronteiras tradicionais, o que frequentemente faz com que os rotulem de rebeldes, ou mesmo traidores.

Não têm heróis nem ídolos. Vêem todas as pessoas como seres humanos e não põem ninguém acima de si em importância. Não pedem justiça a todo momento. Quando alguém tem mais privilégios, vêem isso como um benefício para essa pessoa, em vez de como uma razão para se sentirem infelizes. Quando se defrontam com um oponente, desejam que ele saia bem, em lugar de querer que tenha um mau desempenho, para que possam ganhar pela falta do outro. Querem ser vitoriosos e eficientes por seus próprios meios, mas do que pelas deficiências dos outros. Não ficam insistindo para que todo mundo seja igualmente dotado, mas buscam dentro de si mesmos a sua felicidade. Não criticam, nem têm prazer nas infelicidades alheias. Estão ocupados demais sendo, para notar o que seus vizinhos estão fazendo.

Da maior significação é o fato de que essas são pessoas que amam a si mesmas. São motivadas por um desejo de progredir e, sempre que podem, tratam bem de si próprias. Não têm lugar para auto-piedade, para auto-rejeição ou auto-desprezo. Se você lhes perguntar: “Gosta de si mesmo?” ouvirá em resposta um sonoro “É claro que sim!” Na verdade, são aves raras. Cada dia é uma delícia, que vivem integralmente, em todos os seus momentos presentes. Não são livres de problemas, mas livres da imobilidade emocional que resulta dos problemas. A medida de sua saúde mental não está em saber se escorregam, mas naquilo que fazem quando escorregam. Ficam lá estendidas, chorando porque caíram? Não, levantam-se, sacodem a poeira e continuam com a determinação de viver. As pessoas livres de pontos fracos não correm atrás da felicidade: vivem e a felicidade resulta disso.

Esta citação, tirada de um texto do Reader’s Digest sobre a felicidade, resume a abordagem para o bem viver sobre a qual estivemos falando:

“Nada no mundo torna a felicidade mais inatingível do que o esforço de tentar encontrá-la. O historiador Will Durant descreveu como procurou a felicidade no saber, e encontrou apenas desilusão. Então procurou a felicidade nas viagens, e encontrou o enfado; na riqueza, e encontrou discórdia e preocupação. Procurou a felicidade em seus escritos e apenas ficou fatigado. Um dia viu uma mulher esperando num automóvel pequenino, tendo nos braços uma criança que dormia. Um homem desceu de um trem, foi até ela e a beijou com gentileza e depois beijou o bebê, muito suavemente, de modo a não acordá-lo. A família afastou-se, deixando Durant com uma estupenda compreensão da verdadeira natureza da felicidade. Ele se descontraiu e descobriu que “cada função normal da vida contém alguma dose de delicia”.*

Ao usar seus próprios momentos presentes para o máximo de realização, você se tornará uma dessas pessoas, em vez de ser um observador. É uma idéia tão agradável – ser livre de pontos fracos. Você pode fazer essa escolha agora mesmo – se você escolher fazê-la!

Do livro “Seus Pontos Fracos”Dr. Wayne W. Dyer

_________
* “The One Sure Way to Happiness” , de June Callwood, outubro de 1947.

Retrato de Uma Pessoa que Eliminou Todos os Pontos Fracos – Parte I
Retrato de Uma Pessoa que Eliminou Todos os Pontos Fracos – Parte II
Retrato de Uma Pessoa que Eliminou Todos os Pontos Fracos – Parte III


Recomendados


Comentário(s)

Carregar mais artigos relacionados
  • Poema de Natal

    Para isso fomos feitos: Para lembrar e ser lembrados Para chorar e fazer chorar Para enter…
  • Eckhart Tolle: Iluminação – o que é isso?

    Por mais de trinta anos um mendigo ficou sentado no mesmo lugar, debaixo de uma marquise. …
  • Preces musicais

    Todas as manifestações da nossa vida emitem sons. Os pensamentos, os sentimentos e os atos…
Carregar mais em Inspirados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confira também

App Vivo Meditação ensina crianças a meditar

O Vivo Meditação, aplicativo lançado pela Vivo há pouco mais de dois meses, em parceria co…