Home Amor Ocitocina: Hormônio do amor que contribui para o nosso equilíbrio emocional

Ocitocina: Hormônio do amor que contribui para o nosso equilíbrio emocional

8 min de leitura
0
0

A ocitocina (ou oxitocina) é um hormônio produzido no cérebro e tem um papel muito importante na saúde física e mental do indivíduo, desde quando ele está na barriga da mãe até a vida adulta.

Conhecida como hormônio do amor ou hormônio do aconchego, está vinculada ao sistema mamífero de cuidado, à linguagem amorosa, às emoções positivas e promove fortaleza do sistema imunológico.

Nas fases de gestação, parto e amamentação, a ocitocina normalmente é produzida pela mulher de forma natural, o próprio organismo faz esse trabalho. O hormônio promove a ligação entre mãe e filho.

Por meio dos cuidados que recebe e a partir das primeiras experiências em cada etapa, o bebê passa a reconhecê-la como fonte de conforto, cria memórias emocionais de afeto, de segurança e de tranquilidade e não as esquece mais.

“O guru que me ensinou o valor da compaixão foi minha mãe. O primeiro ato depois do nascimento é depender da mãe e tomar seu leite. Na ocasião, você nem tem ideia de quem é aquela pessoa, mas simplesmente se agarra ao peito dela. Do lado da mãe, há um tremendo senso de carinho, afeição e compaixão. O vínculo e a proximidade entre a mãe e o filho – não são de lei ou de religião, são da natureza”, disse Dalai Lama em depoimento no documentário Happy.

Mas a ocitocina não é exclusiva das mães e/ou das mulheres. Os homens também a fabricam. Ela nutre a todos nós no longo prazo, pois está relacionada à linguagem de aproximação e de conexão. Afeta nossa personalidade, sobretudo nossa maneira de estabelecer relacionamentos nos diversos ciclos da vida.

Age como um neurotransmissor, regulando nosso comportamento de interação social. É associada a sentimentos de proximidade e contentamento e contribui para nosso equilíbrio emocional.

Essa regulação das emoções acontece porque, à medida que vamos crescendo, segundo pesquisadores, nossa capacidade de nos acalmar vai se desenvolvendo a partir de nossas primeiras experiências.

Trata-se de um processo de lembrança emocional, por assim dizer – um “cobertor de segurança” para situações de estresse. Se nossas primeiras experiências não foram tão ideais assim, precisamos construir aquela sensação de dor e segurança na idade adulta.

Não podemos mudar nossos pais nem nossas experiências de infância, mas, quando adultos, podemos aprender diferentes maneiras de regular nossas emoções para lidar com os outros. E conosco.

Portanto, seguindo a estratégia de “criar um cobertor de segurança para situações de estresse”, é importante lembrar que o estímulo de produção de ocitocina na infância influencia fortemente nosso limiar de autocompaixão e autoconfiança na idade adulta.

Podemos aprender a regular hormônios de bem-estar e segurança como a ocitocina. Hoje já se sabe que, ao perceber sensações de toque, carinho e conforto, nosso corpo a fabrica, seja em mulheres ou homens, afirma o Dr. Ricardo Balsimelli.

Uma maneira de estimular nosso organismo a produzi-la é estar perto de pessoas de quem gostamos e amamos, e compartilhar momentos agradáveis com elas.

amor nos faz sentir seguros e confiantes (em parte, porque favorece a produção de ocitocina, uma retroalimentação amor-confiança/segurança – ocitocina-amor). Quando experimentamos sentimentos carinhosos e ternos/dóceis, não somente mudamos nossa mente, mas também nosso corpo.

Em vez de nos sentirmos preocupados e ansiosos, nos sentimos tranquilos, satisfeitos, confiantes e seguros.  E nos tornamos disponíveis – nesse estado de bem-estar, conseguimos olhar para nós mesmos e para os outros por meio do amor e da compaixão.

Entender as vulnerabilidades, criar empatia, acolher, talvez ajudar. E, dessa forma, ativar espontaneamente nosso sistema mamífero de cuidado.


Recomendados


Comentário(s)

Carregar mais posts relacionados
Carregar mais em Amor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *