Home Bem-estar Alimentação Como diferenciar intolerância e alergia alimentar

Como diferenciar intolerância e alergia alimentar

9 min de leitura
0
0

É cada vez mais comum vermos pessoas comentando que se sentem mal ao ingerir determinados alimentos.

Ovos e Amendoim: dois dos principais alimentos desencadeadores de alergias no Brasil

Geralmente, esse mal-estar tem ligação com um quadro de intolerância ou alergia alimentar, duas condições de saúde bastante sérias e que, se não diagnosticadas corretamente, podem levar à morte.

A alergia configura-se como uma reação modulada pelo sistema imunológico do organismo contra proteínas presentes em determinado alimento, reconhecidas pelo corpo como “inimigas”.

Já a intolerância alimentar, caracteriza-se uma reação decorrente de uma deficiência nas enzimas responsáveis pela digestão, dificultando este processo.

Diversos alimentos, de grupos variados, podem causar quadros de intolerância, como: laticínios, cereais, carnes, frutas, ervas e especiarias, frutos secos, vegetais, peixes e frutos do mar.

Ainda que as crianças sejam o grupo mais afetado, alergias ou intolerâncias alimentares podem se manifestar em qualquer estágio da vida.

Segundo a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia, a condição alérgica atinge cerca de 5% da população adulta e perto de 8% das crianças.

A tendência à alergia alimentar é uma condição hereditária, mas o “gatilho” vem do ambiente ao qual a pessoa está exposta.

O grupo mais propenso a desenvolvê-la são os bebês. Por este motivo, é importante o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses de idade.

Na impossibilidade, a substituição deve ser por fórmulas lácteas. De acordo com recomendações da OMS – Organização Mundial da Saúde, outros alimentos devem ser introduzidos na dieta somente após os 6 meses.

No Brasil, observamos que entre os principais alimentos desencadeadores de alergias, destacam-se: leite, ovo, soja, trigo, amendoim, castanhas, crustáceos e peixes.

Devido às características da população e recentes mudanças dos hábitos alimentares, kiwi e gergelim também têm apresentado um aumento da prevalência de reações alérgicas.

Enquanto cacau, corantes e a carne do porco acabaram se revelando menos alergênicos do que se acreditava.

Existe a crença de que as alergias alimentares são uma condição para toda a vida, porém é possível reverter alguns quadros.

Isso depende da característica do alérgeno, sendo assim, a duração da alergia varia de acordo com o alimento em questão.

As alergias que se iniciam, mais comumente, na infância (leite, ovo, soja, trigo) apresentam maior probabilidade de se resolver até a adolescência, com uma tolerância oral.

Já outros alimentos, como amendoim, castanhas, peixes e frutos do mar, são tipicamente persistentes.

As alergias e intolerâncias geralmente são percebidas pela apresentação de sintomas sempre quando há ingestão ou contato com um determinado alimento e o diagnóstico depende de avaliação médica, testes e exames laboratoriais específicos.

No caso da intolerância alimentar, observa-se que os sintomas se manifestam com menor intensidade e não parecem estar diretamente relacionados à ingestão dos alimentos.

A detecção de alergias alimentares é importante para evitar que os sintomas evoluam.

As reações mais comuns são urticárias, manchas avermelhadas, inchaço de olhos e boca, sintomas nasais, broncoespasmo abrupto, diarreia e/ou vômitos imediatos.

O quadro mais grave envolve a anafilaxia, que pode levar à morte se não houver socorro imediato.

Tratamento

Os tratamentos para alergia e intolerância alimentares são completamente diferentes.

Para combater a alergia é necessário eliminar o contato, inalação ou consumo do alimento envolvido. Alguns pacientes com diagnóstico de alergia desenvolvem tolerância ao alimento envolvido, que volta a ser consumido sem manifestações alérgicas.

Mas vale ressaltar que esse processo só deve ser feito com o acompanhamento de um especialista, pois pode desencadear reações graves.

Já em casos de intolerância, o paciente pode tolerar certas doses do alimento, sendo isso bem individual e a própria pessoa acaba por distinguir essa dose conforme os sintomas.

Em caso de falha do tratamento clínico de medidas de controle ambiental e início de uma reação alérgica, o tratamento geralmente se dá pelo uso de antihistamínicos e/ou corticóides.

No caso de anafilaxia, alguns pacientes orientados podem utilizar a caneta para autoinjeção de epinefrina, mas na indisponibilidade dela devem procurar um hospital.

É importante salientar que o auxílio médico é fundamental para identificar se os sintomas são fruto de alergia ou intolerância alimentar e qual o tratamento mais adequado para a condição apresentada.

Artigo da Dra. Ully Alla – é especialista em Endocrinologia e Metabologia pela Real e Benemérita Associação Portuguesa de Beneficência de São Paulo; em Nutrologia pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo; e em Clínica Médica pela Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP/EPM. Membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia – SBEM. Graduada em Medicina pela Universidade Nove de Julho e em Farmácia e Bioquímica pela Universidade Federal de Goiás. Site: www.ully.med.br


Recomendados


Comentário(s)

Carregar mais posts relacionados
Carregar mais em Alimentação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Crianças alérgicas ao leite de vaca têm mais problemas de desenvolvimento

Crianças que sofrem com alergias persistentes ao leite de vaca podem crescer menos e ating…