Home Bem-estar Alimentação Leite de vaca: herói ou vilão?

Leite de vaca: herói ou vilão?

15 min de leitura
0
0

O que aconteceu nesses últimos 50 anos? Mudaram as vacas? Mudou o leite da vaca? Mudamos nós?

Notícia publicada no portal do Ministério da Saúde, em 7 de janeiro, informa que soluções a base de soja, de proteínas hidrolisadas e de aminoácidos serão subsidiadas pelo governo federal e distribuídas pelo SUS, para crianças até 2 anos de idade com diagnóstico de alergia à proteína do leite de vaca (APLV). Essa proposta deve entrar em vigor em até 180 dias, ainda em 2.019.

“A melhor forma de prevenção de APLV é o aleitamento materno exclusivo desde a sala de parto, em livre-demanda, estendido até 2 anos ou mais. O melhor ‘tratamento’ para lactentes com APLV é o aleitamento materno exclusivo (quando possível) associado à retirada de toda proteína do leite de vaca da alimentação da lactante (mãe), mantendo-se, assim, a amamentação com totais vantagens para o bebê”, afirma o pediatra e homeopata Moises Chencinski (CRM-SP 36.349).

“Perguntem para suas mães e avós quantos casos de APLV ou intolerância à lactose (IL) elas conheceram quando vocês eram crianças. Tenho quase certeza que grande parte delas nem vai saber o que é isso; outra parte não vai ter conhecido nenhum caso e uma ou outra deve se lembrar de algo parecido”, afirma o médico.

Hoje em dia, são tantos, tantos, tantos casos, que chegamos a questionar a estatística nacional e até a mundial. Segundo estudos, no Brasil, 3-6% das crianças apresentam alguma alergia alimentar. E entre essas 85% são de APLV. Atenção: são 85% de 3-6% e não do total. Simplificando: cerca de 5% das crianças, 5 em cada 100, 50 em cada mil, 500 em cada 10.000 têm o diagnóstico CONFIRMADO de APLV.

“Não parece que tem muito mais? Mas, mesmo sendo correto na conta, como assim? O que aconteceu nesses últimos 50 anos? Mudaram as vacas? Mudou o leite da vaca? Mudamos nós? O que aconteceu desde a época em que muitos de vocês tomavam leite ordenhado diretamente da vaca no copinho, e que deixava aquele bigodinho inconfundível e revelador?”, questiona o pediatra.

Talvez a resposta para esses questionamentos seja uma mistura de todas essas transformações:

  1. Sim, as vacas podem ter mudado. Sua alimentação mudou. As vacinas, o acompanhamento, seu local de confinamento hoje são diferentes;
  2. Sim, o leite das vacas pode ter mudado. Se imaginarmos os pastos de hoje, com agrotóxicos, com fertilizantes e a composição das rações, podemos visualizar essa diferença;
  3. Sim, nós podemos ter mudado. A cada década temos novas doenças aparecendo, novos remédios, alimentos novos, mais estímulos que nos diferenciam radicalmente da geração de nossos pais e de nossos avós.

Podemos ficar sem leite?

“Então, se o leite materno é fundamental desde a sala de parto, exclusivo e em livre-demanda até o 6º mês, estendido até 2 anos ou mais e se, na impossibilidade ou suspensão da amamentação, a opção é a fórmula infantil (leite de vaca modificado) pelo mesmo período, até quando e para que o leite é tão importante? Dá para ficar sem o leite?”, questiona Moises Chencinski.

E se desse pra ficar sem o leite… Por que a busca por “leite” de soja, de aveia, de arroz, de gergelim, enfim “leite de vegetais”, que nem leite de verdade é, não é? Aliás, por que não chamar apenas de bebidas à base de vegetais?

O que se quer do leite?

O que tem no leite de tão insubstituível?

O CÁLCIO

Necessidades de cálcio por faixa etária:

  • 0 a 6 meses – 200 mg
  • 6 a 12 meses – 260 mg
  • 1 a 3 anos – 700 mg
  • 4 a 8 anos – 1.000 mg
  • 9 a 18 anos – 1.300 mg
  • 19 a 50 anos – 1.000 mg
  • 51 a 70 anos – Homens: 1.000 mg, Mulheres: 1.200 mg / >71 anos – 1.200 mg / Gravidez e amamentação – 1.200 mg.

Mas não podemos tirar o cálcio de outros alimentos?

Segundo o pediatra, não dá para adequar as necessidades de cálcio apenas na alimentação, sem o leite. Nesse caso, seria necessário recorrer às farmácias para suplementação medicamentosa.

“Ainda mais, se pensarmos em uma criança, com as quantidades de alimentos ingeridas em 24 horas (e isso não considerando a grande quantidade de crianças que são trazidas aos consultórios com a queixa de que elas não comem), não iremos nunca fechar a conta do aporte adequado de cálcio, sem a ingestão de leite humano ou de vaca (ou cabra, por exemplo)”, explica o médico.

O leite de vaca tem em 100 ml – 125 mg de cálcio / 66 calorias / 3,9 mg de gordura.

Vegetais não têm e não oferecem, nem de perto, a composição e os nutrientes que esperamos obter de um leite de mamífero.

Mesmo que a quantidade de cálcio contida nos “leites” de gergelim (875 mg em 100 gramas) e amêndoa (237 mg / 100 g) pudessem ajudar nessa oferta, a quantidade de gordura contida neles é imensa (gergelim- 50,4 g /100 g; amêndoas – 47,3 g /100 g) e as calorias também (gergelim – 584 cal / 100 g; amêndoas – 581 cal / 100 g).

Contas feitas sem contar a fração real de absorção (biodisponibilidade).

Assim, Moises Chencinski recomenda que, em crianças com APLV, se tiver que ser feita a mudança da fonte de oferta de cálcio mais ampla, é fundamental:

1 – Manter, sempre que possível, o aleitamento materno exclusivo até o 6º mês e complementado até 2 anos ou mais, com restrição de leite e derivados da alimentação da lactante;

2 – Não se “substituir” o leite de vaca por bebidas à base de vegetal;

3 – Procurar o pediatra para uma orientação adequada;

4 – Procurar a orientação de um nutricionista experiente na área para minimizar as deficiências provocadas pela mudança alimentar e para a adequação de nutrientes e micronutrientes da dieta da criança;

5 – Não substituir leite de vaca por outros leites animais (cabra, égua, por exemplo). Elas têm uma homologia (muita semelhança) em sua composição e a proteína é do leite também;

6 – “Leite” (bebida vegetal à base) de soja pode ser iniciado apenas após o 6º mês de vida (existe a isoflavona em sua composição que é uma substância que tem ação semelhante ao estrógeno – hormônio sexual feminino).

“Tanto meninos como meninas podem consumir “leite de soja” após o 6º mês, sob orientação e acompanhamento pediátricos adequados, e não há aumento de risco de aparecimento de mamas em homens ou câncer em mulheres (os medos mais comuns). Todo exagero é ruim e prejudicial. Por isso é importante o cuidado. E o “leite” de soja pode ser uma boa opção para crianças com APLV ou IL (Intolerância à lactose) acima dos 6 meses”, explica o médico.

CONTATO:
Site: http://www.drmoises.com.br


Recomendados


Comentário(s)

Carregar mais posts relacionados
Carregar mais em Alimentação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Como armazenar o leite materno sem estragar?

Cada vez mais as famílias estão preferindo viajar no mês das fé…