Home Bem-estar Saúde Comunicação entre médico e paciente ajuda a amenizar os incômodos do tratamento do câncer

Comunicação entre médico e paciente ajuda a amenizar os incômodos do tratamento do câncer

4 min de leitura
0
0

Na semana em que se comemora o Dia Mundial do Câncer, celebrado em 4 de fevereiro, especialistas alertam sobre a importância da evolução na Terapia de Suporte para minimizar o impacto do efeitos colaterais de tratamentos para combater a doença.

Em geral os pacientes se queixam dos sintomas provocados pela quimioterapia convencional, que costuma causar vômitos, náuseas, diarreia e fraqueza, entre outros incômodos.

Uma complicação recorrente no tratamento de quimioterapia é a neutropenia febril, causada pela queda de neutrófilos no sangue, aumentando o risco de infecções.

Neste momento é importante o paciente estabelecer uma comunicação direta com o seu médico para que possa ser avaliada a inclusão de medicação específica.

“O tratamento oncológico exige uma série de medidas e, muitas vezes, a principal preocupação do especialista é tratar o tumor.

Porém, para minimizar os impactos indesejados durante esse processo, é fundamental o auxílio de uma equipe multidisciplinar com a finalidade de promover qualidade de vida aos pacientes e familiares” explica Dr. Ricardo Caponero, Oncologista e Coordenador do Centro Avançado em Terapia de Suporte e Medicina Integrativa.

Os principais fatores de risco para neutropenia são desnutrição, tratamentos prolongados, doenças crônicas pré-existentes.

O diagnóstico é fácil e, ao primeiro sinal de febre, o médico deverá ser informado para que possa pedir os exames necessários: sangue, urina, radiografia de tórax, entre outros.

“Logo após a realização dos exames, o médico terá condições de identificar a infecção e tratar com a medicação indicada o quanto antes”, relata o Oncologista.

O especialista enfatiza a importância do paciente sempre manter uma conversa- com o seu médico e informar sobre o quadro de saúde.

“Na quimioterapia, cada paciente recebe uma combinação de medicamentos e existem várias possíveis.

Os efeitos que os tratamentos irão causar variam para cada indivíduo. Este é um dos motivos pelos quais os efeitos colaterais são diferentes.

Por isso, a principal dica é o paciente explicar o que está sentindo para o seu médico”, conclui Dr. Ricardo Caponero.

O especialista sugere ainda que o paciente faça um diário e anote qualquer situação inesperada e alerta: “dores, alterações no hábito intestinal, mudanças na libido e febre são algumas das possíveis reações ao tratamento oncológico.

São comuns, mas não podem ser consideradas normais. A qualidade de vida precisa ser preservada”.

 

FONTE: Teva


Recomendados


Comentário(s)

Carregar mais posts relacionados
Carregar mais em Saúde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Conheça as doenças mais comuns entre as mulheres

Além do câncer de mama, objeto de campanha de prevenção bem trabalhada pelo movimento Outu…