Home Bem-estar Saúde Infográfico: Mulheres são as mais acometidas por Lúpus

Infográfico: Mulheres são as mais acometidas por Lúpus

3 min de leitura
0
0

Além das doenças comuns do universo feminino, as mulheres devem ficar atentas a uma que impacta, principalmente, este público: o Lúpus Eritematoso Sistêmico, uma enfermidade que gera sintomas desde o início, porém com características inespecíficas, dificultando o diagnóstico em alguns casos.

Estudos indicam que 90% dos casos LES são em mulheres.1

O Lúpus não tem cura e pode afetar órgãos vitais da paciente1. Uma avaliação que utilizou como base de dados o Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus) aponta que, entre 2002 e 2011, a taxa de mortalidade por LES no Brasil foi de 4,76 mortes/105 habitantes2.

O tratamento adequado, por meio de medicamentos e sob acompanhamento médico, pode controlar e diminuir os sintomas da doença1 e dar mais qualidade de vida ao paciente.

Exposição solar é um dos fatores que desencadeiam a doença.1

Entre os fatores que desencadeiam a doença está a exposição solar, hábito comum nesta época do ano. Isso porque a luz ultravioleta é capaz de ativar o LES, assim como fatores genéticos, ambientais e hormonais.3

Saiba mais sobre o Lúpus neste Infográfico

Infografico-Quanto-voce-sabe-sobre-Lupus

 

Referências:

  1. ABC.MED.BR. Lúpus eritematoso. Entendendo um pouco mais esta condição, 2012. Disponível em: <http://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/298940/lupus-eritematoso-entendendo-um-pouco-mais-esta-condicao.htm>. Acesso em: 17 jan. 2018.
  2. COSTI LR, IWAMOTO HM, NEVES DCO, CALDAS CAM. Mortalidade por lúpus eritematoso sistêmico no Brasil: avaliação das causas de acordo com o banco de dados de saúde do governo. Revista Brasileira de Reumatologia 2017, NA: 1-9, 2017.
  3. SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA. Lúpus eritematoso sistêmico (LES), 2011. Disponível em: <http://www.reumatologia.com.br/index.asp?Perfil=&Menu=DoencasOrientacoes&Pagina=reumatologia/in_doencas_e_orientacoes_resultados.asp>. Acesso em: 17 jan. 2018.

 


Recomendados


Comentário(s)

Carregar mais posts relacionados
Carregar mais em Saúde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *