Home Bem-estar Saúde Psicologia Engraçado como você é um otário – Parte 2

Engraçado como você é um otário – Parte 2

5 min de leitura
0
0

O texto a seguir amplia e explica o primeiro artigo: “Engraçado como você é um otário

engracado-como-voce-otario-parte-2

É comum percebermos as expectativas que algumas pessoas criam em torno das outras e se frustrarem ao perceberem que o retorno que esperavam receber não chega nunca.

A expectativa é até comum, ela é uma espécie de “mola propulsora”, no entanto tem mola que te manda para fora de órbita, não é mesmo? Ela o lança para fora de si a tal ponto de você não mais acreditar que é possível reverter o quadro e quando você menos imagina já se tornou refém da própria criação.

Aí que mora o perigo, pois se você não percebe a tempo de propor alguma mudança, a expectativa te aprisiona ainda mais, pois você passa a viver no “e se?”.

“E se ele (a) perceber?”, “E se o outro mudar”, “ E se ele (a) parar de fazer isso ou aquilo?” E se uma hora ele(a) perceber como sou de verdade…” .

Contos de fadas não existem, o que de fato é real é o sentimento que você carrega no peito a cada dia que acorda, a realidade é a paz que você sente quando as coisas estão no caminho certo.

E ninguém melhor do que você para perceber se sua expectativa é condizente com a realidade, o outro não tem a obrigação de fazer por mim, aquilo que só eu sei como se faz e o resultado que quero atingir.

Então, antes de colocar no outro uma responsabilidade que é sua, racionalize sua entrega, reflita sua expectativa e perceba de fato se você não tem sido “carcereiro” de sua própria prisão. Às vezes a chave esta no seu bolso, mas você nem a sente.

Carl Gustav Jung, psiquiatra e psicoterapeuta suíço de orientação analítica usou o termo “‘individuação” para falar sobre desenvolvimento psicológico que ele define como processo de tornar-se uma personalidade unificada, mas também única, um individuo, uma pessoa indivisa e integrada.

Este é o caminho que trilhamos quando tomamos consciência da capacidade intrínseca que possuímos. Assim, aumentamos a capacidade de desenvolvermos e enfrentarmos as desarmonias, dissabores e desafetos na vida, sejam estes oriundos da família, das amizades ou das relações amorosas.

Quando existe muita doação sua e pouca entrega do outro, você sendo consciente deste processo, automaticamente passará a requerer mais e não aceitar “migalhas” que o outro oferece.

E depois, o que devemos fazer?

Deixá-lo(a) ir… agradecendo a oportunidade de aprendizado que ele(a) deixou.

 

→ Obs: O material deste texto é informativo, não substitui a terapia ou psicoterapia oferecida por um psicólogo.

 

Referência Bibliográfica
Jung: o mapa da alma: uma introdução/Murray Stein. 5 ed. São Paulo. Editora Cultrix, 2006.


Recomendados


A ferramenta essencial de AutoDesenvolvimento pessoal

Comentário(s)

Carregar mais posts relacionados
Carregar mais em Psicologia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

5 dicas para fazer sua própria horta caseira e agroecológica!

A agroecologista e professora do Namu Cursos Alessandra Nahra ensina que é possível fazer …