Home Consciência Liberte sua criança interior

Liberte sua criança interior

8 min leitura
2
0

Que tal começar por fazer um inventário de coisas que fazíamos com enorme alegria e entusiasmo em nossa infância?

Por Luiz Alberto Machado

É na nossa mais tenra infância que, utilizando uma combinação de espontaneidade, ingenuidade e curiosidade, descobrimos e aprendemos muitas coisas, sendo que algumas delas nos acompanharão por toda a vida, ajudando-nos a resolver problemas e superar desafios.

girl

 

 

Lamentavelmente, esse trio – espontaneidade, ingenuidade e curiosidade – vai perdendo força à medida que nós vamos crescendo e passamos a receber uma série de limites e restrições que nos são impostos, primeiro em casa e na escola, e, mais tarde, nos demais ambientes que costumamos freqüentar.

Bob Pike, um dos mais fantásticos especialistas em aprendizagem acelerada que tive oportunidade de conhecer em eventos de que participei promovidos pela International Alliance for Learning, costuma abrir suas apresentações com as “leis de Pike”. Delas (cinco no total), duas aplicam-se como uma luva ao tema deste artigo. A primeira é que “adultos são crianças com corpos grandes”, o que significa que o cérebro do adulto está sujeito, em grande parte, aos mesmos estímulos dos cérebros das crianças. Por que então não deixar que esses cérebros “viajem”, exatamente como “viajam” os cérebros das crianças?

A segunda lei de Pike diz que “a aprendizagem é diretamente proporcional à quantidade de alegria e divertimento que você sente”. Se o jardim de infância foi o último momento de que você se recorda de ter ido para a escola satisfeito e entusiasmado, alguma coisa deve estar errada no sistema formal de ensino, uma vez que a maior parte das pessoas vai à escola emburrada e chateada, encarando-a como uma obrigação e um pesado fardo a carregar, num clima completamente diferente daquele clima de magia do jardim de infância, marcado pelas brincadeiras, pelos jogos, pelas salas coloridas e cheias de desenhos, e também pelo esforço das professoras em estimular a criatividade, a curiosidade e a sociabilidade.

Pois bem. As restrições e limites a que me referi aparecem muitas vezes traduzidos na palavra “não”, que, de acordo com estudos bastante respeitáveis, é a palavra que ouvimos com mais freqüência numa determinada fase de nossa vida. Essa sucessão de “nãos” é indicada por Floriano Serra, um executivo do setor farmacêutico que foi pioneiro, entre nós brasileiros, a enveredar pelos caminhos da criatividade, como um dos motivos pelos quais a maior parte das pessoas tem enorme dificuldade para explorar seu potencial criativo.

Em seu livro “E por que não?” , ele afirma que existem seis “pês” bloqueadores, responsáveis pelo aparecimento de nossos valores, crenças, preconceitos, paradigmas e percepções, que, por sua vez, funcionam como verdadeiros filtros, a partir dos quais enxergamos o mundo. A palavra que ele utiliza para se referir ao efeito bloqueador dos freqüentes “nãos” é proibições e os outros cinco “pês” bloqueadores são pais, professores, patrões, preguiça e perfeição, entendida esta última como a busca obsessiva da perfeição, que se transforma em obstáculo para inúmeras pessoas que não fazem quase nada por acharem que sempre falta alguma coisa. Trata-se do famoso “em busca do ótimo, não se faz o bom”.

Seguramente você é capaz de adicionar outros “pês” bloqueadores a essa lista, não é mesmo?

Os filtros apontados por Floriano Serra fazem com que pensemos sempre da mesma forma, naquilo que Frank Prince denomina de “pensar dentro da caixa”, ou seja, de forma sempre igual, numa rotina que não contribui em nada para a criatividade, o empreendedorismo e a inovação.

Há uma pergunta, que costumo fazer aos participantes de meus cursos e seminários que os deixa, quase que invariavelmente, numa situação constrangedora, dada a dificuldade que encontram para respondê-la. É a seguinte: “Quando foi a última vez que você fez uma coisa pela primeira vez?”

Resgatar a criança interior será fundamental para romper com esse círculo vicioso que caracteriza o dia-a-dia de muitos de nós, ajudando-nos a “pensar fora da caixa” e, em conseqüência, a termos mais estímulos para criarmos, empreendermos e inovarmos.

Como fazê-lo?

Que tal começar por fazer um inventário de coisas que fazíamos com enorme alegria e entusiasmo em nossa infância e que deixamos de fazer por conta dos nossos “pês” bloqueadores e de tantos outros bloqueios que fomos adquirindo – pelas mais diferentes razões – ao longo de nossas vidas?

Está feito o convite!

Texto de Luiz Alberto Machado – Libere a criança que existe dentro de você

Confira também o poema de Maria Aparecida G. Dóro: Cadê você, meu tesouro?


Recomendados


Comentário(s)

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais em Consciência

2 Comentários

  1. carenlissa@yahoo.com.br'

    Caren

    11 de outubro de 2010 em 17:15

    Que lindo!
    E como é real, esses 5 P´s….
    Aos meus 33 anos, também quero descobrir o que me fazia rir, que me deixava leve….
    Redescobrir as sensações de pisar na grama, o vento no seu rosto qdo se anda de bicileta, já é um começo!!!

    Reply

  2. dalvad64@gmail.com'

    Dalva da silva Rocha

    4 de julho de 2011 em 23:24

    Ha!!!Muito bom brincar a tarde com os coleguinhas de pique esconde,rouba bandeira.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confira também

Livros de colorir: uma forma lúdica de descobrir sua criatividade

Velocidade é o que rege a vida nos dias atuais, temos a sensação que tudo é tratado com má…