Home Qualidade de Vida Ser mãe aos 40 anos é possível

Ser mãe aos 40 anos é possível

6 min de leitura
0
0

Existem muitas razões para que a maternidade não faça parte da lista de desejos de uma quantidade cada vez maior de mulheres que, com uma boa saúde e muitos objetivos, sente que o momento de ser mãe ainda não chegou.

Mesmo quando existe uma relação estável e condições financeiras, normalmente o casal quer aproveitar mais tempo de vida a dois antes de pensar em aumentar a família.

Porém, a biologia feminina não segue o mesmo ritmo dos outros aspectos da saúde que atualmente podem ser ótimos para uma mulher com 40 anos.

Não é impossível, porém é pouco provável engravidar sem a ajuda de tratamento médico após os 40.

Segundo a especialista em reprodução humana da clínica IVI Salvador, Dra Isa Rocha, a partir desta idade as chances são reduzidas e a gestação envolve riscos aumentados de aborto e alterações cromossômicas no bebê que podem causar doenças como a Síndrome de Down.

Chances de gravidez aos 40

Segundo a Dra Isa, a maioria das pacientes das clínicas IVI ao redor do mundo têm uma idade próxima ou superior aos 40 anos.

“A possibilidade de engravidar nessa idade é baixa por motivos fisiológicos do corpo da mulher, não é uma questão de sentir-se bem e estar em boa forma, apesar de que estes aspectos podem ajudam”.

O envelhecimento dos óvulos é o maior risco: Como os óvulos nascem com a mulher, diferente dos homens que produzem espermatozoides ao longo da vida, os melhores óvulos vão sendo liberados para a ovulação primeiro, enquanto os óvulos que permanecem no corpo vão sofrendo o impacto do envelhecimento normal, por isso muitas mulheres aos 40 podem ovular, porém estes óvulos não geram embriões saudáveis.

O envelhecimento dos óvulos pode provocar que após a fecundação, o embrião não tenha saúde para implantar-se e desenvolver-se de forma saudável, o que pode gerar dificuldades de engravidar, aborto espontâneo ou o nascimento de um bebê com alguma cromossopatia como a Síndrome de Down.

Existe um tratamento de reprodução humana que pode prevenir o risco de alterações cromossômicas, se trata do diagnóstico genético pré-implantacional do embrião antes do tratamento de Fertilização in Vitro, porém pode acontecer que após o estudo dos embriões nenhum possa gerar um bebê, já que aos 40 quase 80% dos óvulos podem ter alterações cromossômicas.

Quando não existem embriões com possibilidades de gerar um bebê saudável, é necessário um tratamento com óvulos doados.

O congelamento de óvulos garante o sucesso de uma gravidez futura?

O congelamento de óvulos aumenta as chances de engravidar no futuro, porém não é uma garantia.

Para maximizar as chances de sucesso é importante congelar uma quantidade suficiente de óvulos, de preferência um mínimo de 8 óvulos e que ao congelar, a mulher tenha menos de 35 anos.

 

Serviço

Sobre o IVI – RMANJ
O grupo IVI nasceu em 1990 como a primeira instituição médica na Espanha especializada integralmente em Medicina Reprodutiva. Desde então tem ajudado a nascer mais de 160.000 bebês graças aos tratamentos e técnicas avançadas de reprodução humana. O grupo conta com uma Fundação, um programa de Docência e Carreira Universitária. Recentemente, realizou a fusão com o grupo norte-americano RMANJ elevando ainda mais sua relevância e presença mundial com mais de 70 clínicas, inclusive no Brasil.


Recomendados


Comentário(s)

Carregar mais posts relacionados
Carregar mais em Qualidade de Vida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Medicina reprodutiva aponta caminhos para lidar com a infertilidade

A infertilidade atinge 15% casais no Brasil, segundo dados da Organização Mundial da Saúde…