Home Qualidade de Vida Tempo seco e as consequências para a saúde: Confira Mitos & Verdade sobre o tema

Tempo seco e as consequências para a saúde: Confira Mitos & Verdade sobre o tema

11 min de leitura
0
0

Maio de 2018 foi o mês mais seco nos últimos 18 anos na cidade de São Paulo. Segundo dados do Clima Tempo, em comparação com médias anteriores, o nível de chuva no mês de maio ficou 86% mais baixo em relação à média histórica que é de 78,1mm.

Durante o outono e o inverno, as chuvas costumam aparecer em menor quantidade e não é só a capital paulista que sofre com os tempos de menor umidade do ar. Segundo balanço de chuvas de abril deste ano, das 27 capitais brasileiras, 14 tiveram chuvas abaixo da média.

As regiões mais secas são as do centro-sul, norte e nordeste do Brasil. Belo Horizonte foi a capital que registrou o menor volume de chuvas no mês de abril, 82% abaixo da média.

Com a baixa umidade do ar por todo o país, o tempo fica mais seco e doenças respiratórias como asma, rinite e bronquite tem maior incidência. É nessa época do ano também que a temperatura começa a cair.

”Há como se preparar e, com isso, tentar minimizar as consequências. Alguns hábitos simples e práticos, como a ingestão de líquidos e a nebulização com soro, ajudam a manter as vias aéreas úmidas, protegendo a saúde do sistema respiratório”, afirma Dr. Renato Kfouri, infectologista pediátrico.

“Para nebulização em casa, é necessário consultar um médico que defina a quantidade de soro e qual medicação a ser ministrada, se for essa a indicação. É importante também pesquisar sobre nebulizadores e inaladores disponíveis no mercado e garantir um produto que não influencie o desempenho das medicações”, completa.

Nessa época também são compartilhadas muitas dicas sobre a melhor forma de driblar o tempo seco, e é aí que mora o perigo. Muitas pessoas utilizam tratamentos equivocados e sem a devida instrução, por isso, a necessidade de sempre consultar um médico.

Abaixo, confira Mitos & Verdades sobre o tema:

Verdades

1- Lavagens nasais com soro fisiológico podem ser realizadas regularmente. Mas é importante usar a quantidade de soro apropriada e a técnica correta. Para isso, consulte um médico;

2- Nebulização é um importante aliado para melhorar a respiração. Além da nebulização com medicamentos prescritos por um médico, quando necessário, a nebulização regular com soro fisiológico pode ajudar a manter as vias aéreas úmidas e, portanto, saudáveis.

3- A nebulização pode ser feita enquanto a criança dorme. Diferente da bombinha de inalação, o nebulizador não precisa que o paciente mantenha respiração intensiva durante o uso;

4- A nebulização também ajuda na prevenção de doenças respiratórias. Esse hábito pode ajudar a prevenir problemas respiratórios, justamente por manter as vias aéreas umidificadas. Além disso, é a via preferencial de tratamento para diversas emergências respiratórias.

5- Evite exercícios físicos entre as 10h e 17h. Atividade física é sempre bem-vinda, em qualquer época do ano. Mas, quando a umidade do ar está mais baixa, o ideal é que os exercícios sejam realizados logo cedo, pela manhã, ou no período da noite.

6- Tempo seco e inverno favorecem a gripe. Durante o outono e inverno, as pessoas permanecem em ambientes fechados com mais frequência, favorecendo a transmissão de vírus como o da gripe. Além disso, o tempo seco prejudica a produção de muco, que é um mecanismo de defesa do organismo.

Mitos

1- Umidificadores elétricos podem ficar ligados durante toda a noite para melhorar a respiração. O uso excessivo de umidificadores de ar pode ser tão prejudicial à saúde quanto o ar seco. Se o aparelho ficar ligado durante muito tempo, pode facilitar a criação de bolor e mofo no ambiente e, com isso, propiciar o aparecimento ou agravamento de doenças como rinite e asma;

2- As alergias respiratórias só ocorrem em dias mais frios. A maior incidência acontece em dias mais frios, por conta do tempo seco, mas, esse tipo de enfermidade pode ocorrer durante todo o ano.

3- A nebulização não pode ser feita com o uso de remédios. As medicações podem sim ser utilizadas, desde que haja recomendação e orientação médica;

4- Rinite alérgica tem cura. Diferente de doenças como a sinusite que podem ser tratadas, a rinite alérgica pode ser controlada com medicamentos, mas não tem cura.

5- Comidas pesadas devem ser evitadas. À exceção da ingestão de muito líquido, não há outras recomendações alimentares. Mesmo a feijoada está liberada.

6- A febre é uma reação natural e, por isso, não deve ser combatida. A febre, embora seja uma reação natural do corpo a um processo inflamatório ou infeccioso (o corpo aumenta a temperatura para acelerar o metabolismo), deve ser combatida quando atinge temperaturas altas. Converse com seu médico sobre isso.

 

1. São Paulo tem o quinto maio mais seco em 57 anos
2. Balanço da chuva de abril nas capitais brasileiras

 


Recomendados


Comentário(s)

Carregar mais posts relacionados
Carregar mais em Qualidade de Vida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *