Home Bem-estar Alimentação Qualidade de Vida: A Importância de Manter um Peso Saudável

Qualidade de Vida: A Importância de Manter um Peso Saudável

9 min leitura
1
0

Muito se fala em manter um peso saudável, mas você conhece os motivos que tornam essa recomendação tão importante?

dieta-695723_640

A manutenção de um peso saudável é considerada atualmente uma das principais medidas para a prevenção das doenças crônicas não transmissíveis, que representam a causa de cerca de duas a cada três mortes no Brasil.

Estudos populacionais mostram que o excesso de peso leva quase que inequivocamente a complicações de saúde, pois aumenta o risco de doenças como diabetes, colesterol alto, problemas cardiovasculares e respiratórios, gordura no fígado, apneia do sono, hipogonadismo masculino (baixa produção de testosterona), infertilidade, depressão e diversos tipos de câncer, sem falar nas complicações ortopédicas e limitações para as diversas atividades simples do dia a dia.

O aparecimento de complicações costuma ser uma questão de tempo.

Além de comprometer a qualidade de vida, o excesso de peso aumenta o risco de morte prematura. Nos Estados Unidos já se prevê que a atual geração será a primeira a ter uma expectativa de vida menor do que a de seus pais.

Um estudo mostrou que pessoas com sobrepeso (IMC 25 a 30Kg/m2) podem perder até três anos de vida, enquanto obesos (IMC 30-35Kg/m2) perdem até seis anos, e os muito obesos (IMC  35Kg/m2 ou mais) podem perder até oito anos de vida.  Portanto, é importante que a obesidade seja reconhecida como uma doença crônica, e que seja tratada como tal.

Você pode calcular seu risco através do cálculo do IMC*:

 

* IMC (índice de massa corporal) = peso/altura x altura.

O tratamento da obesidade tem como pilares a redução do consumo energético e o aumento do gasto metabólico por meio da prática regular de exercícios físicos, porém mesmo recebendo essas orientações, grande parte dos pacientes não consegue perder e manter o peso de forma satisfatória.

Infelizmente as mudanças comportamentais nem sempre são suficientes para vencer as barreiras biológicas ativadas no processo de emagrecimento. Nesses casos deve-se considerar o uso de medicamentos.

Sabemos que a perda de 5 a 10% do peso corporal reduz de forma significativa o risco de desenvolver complicações como o diabetes e as doenças cardiovasculares.

Curiosamente, um estudo recente realizado nos Estados Unidos mostrou que menos de 1% das pessoas com indicação de uso de medicamentos para perda de peso recebe tratamento farmacológico.

Isso pode demonstrar a resistência, ou talvez a falta de conhecimento, de que a obesidade é uma doença crônica, grave e progressiva, e que requer tratamento a longo prazo.

Uma parcela dos pacientes apresenta ainda indicação de tratamento cirúrgico da obesidade, que pode levar a um controle satisfatório do peso corporal e de suas comorbidades.

É importante ressaltar que pessoas com excesso de peso são constantemente expostas a propagandas de produtos que garantem resultados milagrosos.

Deve-se estar atento para evitar o uso de substâncias que não foram submetidas à análise criteriosa dos órgãos regulatórios – o que ocorre com os tratamentos alternativos – que não se mostram seguros nem eficazes para o tratamento da obesidade.

A tendência atual é avaliar e tratar a obesidade como uma doença que apresenta várias nuances, seja com relação à magnitude do excesso de peso, seja pela presença de comorbidades específicas. Deve-se dar atenção às necessidades de cada paciente para a escolha do tratamento adequado.

Ser obeso não é uma opção de vida, mas o resultado da interação entre uma série de fatores genéticos e do meio ambiente que merece ser tratada com seriedade, durante toda a vida do paciente.

 

Dra Daniele Tokars Zaninelli, endocrinologista do Hospital VITA – Curitiba/PR. Graduada em Medicina pela Universidade Federal do Paraná, Residência em Clínica Médica, especialização em Endocrinologia e Mestrado no Serviço de Endocrinologia e Metabologia pelo Departamento de Clínica Médica do Hospital de Clínicas da UFPR; estágio no Serviço de Endocrinologia e Metabologia do HC/USP, estágio no Serviço de Endocrinologia e Metabologia do Ospedale Maggiore di Milano (Itália) com área de atuação em Doenças da Tireoide, estágio no Serviço de Endocrinologia e Metabologia do Ospedale Policlínico II (Napoli – Itália) com área de atuação em Neuroendocrinologia. Membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, SOBEMON – Sociedade Brasileira para o estudo do Metabolismo Ósseo e da Sociedade Brasileira para o Estudo da Obesidade (ABESO)e da Endocrine Society.

 

Achados


Comentário(s)

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais em Alimentação

Um comentário

  1. […] Fonte: Vida Plena e Bem Estar […]

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confira também

Projeto verão começa agora! 7 dicas para se preparar para a estação mais quente do ano

Não se engane: o projeto verão não pode esperar até a temporada de praia! Na verdade, este…